terça-feira, 17 de janeiro de 2017

P637: AS NOSSAS FOTOS NOS POSTS (IV - TRANSMISSÕES E ENFERMEIROS)



              Nesta quarta abordagem apresentaremos os Posts dos elementos das Transmissões e dos elementos da Enfermagem.
              Nota: os Posts com cor vermelha correspondem à publicação das Relíquias fotográficas do elemento em causa. Os Posts a azul correspondem à notícia do falecimento do elemento referido.


1.º - Manuel Maria Rodrigues Barreiros (Transmissões)
       P241 – P248 – P250 – P253 – P257 – P269 – P284 – P288 – P302 – P312 – P317 – P334 – P362
       P372 – P413 – P416 – P419 – P463 – P477 – P494 – P496 – P535

2.º - Júlio da Rocha Machado (Cripto)
       P241 – P254 – P269 – P275 – P302 – P310 – P338 – P340 – P343 – P359 – P362 – P381 – P382
       P385 – P396 – P405 – P413 – P444 – P494 – P496 – P523

3.º - Luís Manuel B. Telha (Cripto)
       P290 – P385 – P426 – P494 – P497

4.º - A. Silva Soares (Transmissões)
       P241 – P248 – P275 – P280 – P302 – P324 – P343 – P362 – P372 – P407 – P413 – P416 – P419
       P463 – P494 – P522 – P526

5.º - Fernando M. Luís (Transmissões)
       P248 – P280 – P302 – P340 – P351 – P405 – P413 – P419 – P448 – P494

6.º - João da Costa Marinho (Transmissões)
       P242 – P248 – P259 – P263 – P269 – P275 – P280 – P302 – P362 – P368 – P373 – P385 – P389
       P405 – P413 – P416 – P419 – P421 – P444 – P472 – P493 – P494 – P519

7.º - Joaquim Moura Quintas (Transmissões)
       P241 – P242 – P248 – P249 – P259 – P269 – P275 – P280 – P302 – P321 – P343 – P362 – P365
       P368 – P385 – P404 – P405 – P407 – P413 – P416 – P419 – P441 – P444 – P519 – P522 – P525

8.º - Jorge M. Rocha Costa (Transmissões)
       P241 – P247 – P248 – P259 – P262 – P275 – P280 – P355 – P359 – P368 – P385 – P404 – P405
       P413 – P444 – P494 – P525

9.º - Manuel Leitão Portugal (Transmissões)
       P241 – P248 – P268 – P269 – P275 – P280 – P309 – P312 – P362 – P365 – P370 – P397 – P405
       P407 – P413 – P419 – P475 – P494

10.º - Manuel Maria Brunheta (Transmissões)
       P248 – P269 – P275 – P280 – P302 – P312 – P324 – P343 – P362 – P398 – P403 – P405 – P413
       P481 – P494

11.º - José da Silva Guerra (Transmissões)
         P389 – P451 – P471        
j
12.º - Jorge Cunha (Enfermeiro)
         P241 – P254 – P255 – P257 – P258 – P259 – P262 – P263 – P277 – P287 – P301 – P328 – P355
         P362 – P365 – P373 – P384 – P395 – P405 – P430 – P434 – P444 – P466 – P472 – P473 – P474
         P477 – P495 – P519 – P520 – P525 – P535 – P538

13.º - José Porfírio Gaspar (Enfermeiro)
          P254 – P255 – P258 – P260 – P262 – P276 – P277 – P287 – P302 – P317 – P320 – P351 – P355
          P383 – P382 – P396 – P419 – P430 – P444 – P476 – P495 – P519 – P520 – P522 – P525 – P528
          P537

14.º - José Joaquim dos Santos (Enfermeiro FALECIDO)
         P239 – P241 – P254 – P255 – P263 – P272 – P277 – P284 – P287 – P317 – P327 – P355 – P396
         P402 – P405 – P444 – P473 – P495 – P520 – P522 – P525

sábado, 7 de janeiro de 2017

P636: RESPOSTA SENTIDA DO LEANDRO GONÇALVES

Pela quadra natalícia troquei mensagem com o Leandro Gonçalves e com um atraso de QUARENTA E QUATRO ANOS!!! aproveitei para lhe agradecer, formalmente, o facto de, com todas as condicionantes existentes na altura, nos ter proporcionado ao longo daqueles 23 meses, refeições (3 por dia) com pontualidade, variedade, qualidade e quantidade satisfatória.
Recebi a resposta que me tocou pelo que tive necessidade de partilhar convosco a sua missiva (obviamente obtive autorização do Leandro para tal).

Já agora, e porque nunca é tarde para se fazer justiça, acho que todos nós estamos em dívida para com o Ricardo Lemos (Transportes), Hélder Coelho e José Alves (Enfermagem), João Rico (Transmissões) e Leandro Gonçalves (Economato) por cada qual, dentro da sua área, nos terem proporcionado condições de funcionalidade a roçar o excelente e bem sabemos o que por vezes tinham que "inventar" para cumprirem a sua missão.  
 

Amigo Fernando,

Agradeço as tuas palavras de reconhecimento do trabalho que eu e o meu grupo fizemos para manter minimamente aconchegados os estômagos de todos os nossos irmãos de armas, dadas as tremendas limitações a que estivemos sujeitos.

Até agora, só tu foste capaz de manifestar apreço pelo trabalho árduo e stressante mas muito pouco conhecido, que tivemos para conseguir colocar todos os dias algum alimento nas bocas de todos nós, naquele local sem recursos e cheio de perigos.

Poucas pessoas se terão apercebido dos riscos que eu e uns poucos loucos que me seguiam corríamos cada vez que saíamos á procura de animais (vacas) numa tentativa de variar de alguma forma a alimentação da nossa família no Dulombi.

As incursões em tabancas sem ligação por estrada em que à nossa chegada toda a população desaparecia. As vacas "sem dono" que abati depois de perguntar aos aldeões quem era o dono e obter como resposta que não sabiam (incluindo o proprietário das ditas). As caçadas noturnas aos coelhos nos campos de mancarra a vários kilometros dos aramados "protetores" de Dulombi que esporadicamente contribuíram para alguma variação de sabor nos menus.

Orgulho-me de ser uma pessoa  que sempre se tem pautado pela honestidade, integridade e de levar sempre muito a sério tudo aquilo em que me tenho envolvido ao longo da minha quase septuagenária vida.

Para que não fiquem dúvidas, nunca em caso algum deixei de pagar o justo valor aos aldeões que nos vendiam gado. Algumas vezes só negociavam depois dos animais terem sido abatidos. Não me orgulho desses feitos, mas não tinha qualquer alternativa pois não podia deixar que os meus irmãos ficassem sem proteínas por muito tempo.

Agradeço a todos aqueles que comigo aceitaram correr riscos enormes por picadas e carreiros de cabras em zonas completamente isoladas e cheias de perigos como todos nós sabemos.

Aos valentes que quase sempre me acompanharam naquele Unimog suicida: o enfermeiro, o condutor, o transmissões e o habitante local alto e forte, o meu mais alto reconhecimento e bem haja, por, terem arriscado as suas vidas em nome da amizade familiar.

Bem haja amigo e que 2017 te traga tudo de bom assim como a tua família.

domingo, 1 de janeiro de 2017

P634: EM JANEIRO FAZEM ANOS

6 - Manuel Pedrosa da Costa











 7 - Virgílio Serralha Pires

 



 




9 - Luís Santos Silva



 
 10 - Timóteo da Conceição Santos




 14 - Fernando Santos Correia

 



16 - Fernando Cunha Lopes




 17 - Adriano Ferreira (CCS)




19 - Luís Bombico Telha





27 - Bernardino Pereira (Meirim)








29 - Manuel Jacinto Maurício






 

29 - Luís Maria

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

P633: AS NOSSAS FOTOS NOS POSTS (III - MECÂNICOS E CONDUTORES)


              Nesta terceira abordagem apresentaremos os Posts dos Mecânicos e Condutores.
           Os Posts com cor vermelha correspondem à publicação das Relíquias Fotográficas do elemento em causa. Os Posts a azul correspondem à notícia do falecimento do elemento referido.

1.º - Mecânico José Santos
       P159 – P180 – P241 – P247 – P255 – P260 – P284 – P287 – P288 – P317 – P339 – P351 – P362 - P392 – P396 – P444 – P445 – P471 – P491 – P520 – P522 – P528

2.º - Mecânico Vitor Gonçalves
       P159 – P180 – P224 – P241 – P244 – P255 – P269 – P272 – P288 – P317 – P340 – P342 – P396 - P444 – P448 – P491 – P522 – P523 – P528 – P533

3.º - Mecânico  Augusto Rosa
       P159 – P180 – P224 – P241 – P244 – P255 – P269 – P272 – P288 – P317 – P340 – P342 – P396 - P444 – P448 – P491 – P522 – P523 – P528 – P533

4.º - Condutor Luís Maria
       P241 – P255 – P269 – P275 – P287 – P288 – P296 – P302 – P337 – P340 – P343 – P351 – P375 - P376 – P395 – P396 – P405 – P413 – P419 – P426 – P239 – P444 – P473 – P491 – P497 – P520 - P528 – P599 – P615

5.º - Condutor Manuel Faria (Fafe)
       P237 – P241 – P249 – P255 – P259 – P272 – P317 – P327 – P359 – P375 – P385 – P396 - P404 - P435 – P444 – P473 – P491 – P520 – P526 – P528 – P533

6.º - Condutor Carlos Calado (Setúbal)
       P241 – P250 – P262 – P288 – P299 – P317 – P337 – P342 – P368 – P395 – P396 – P420 – P444 - P448 – P473 – P491 – P523

7.º - Condutor Serafim Vieira
       P224 – P237 – P239 – P241 – P244 – P253 – P255 – P260 – P272 – P284 – P287 – P296 – P317 - P339 – P375 – P395 – P396 – P421 – P444 – P473 – P491 – P493 – P520 – P528

8.º - Condutor Alfredo Sá
       P254 – P255 – P262 – P277 – P288 – P296 – P317 – P342 – P444 – P448 – P491 – P525

9.º - Condutor Carlos Amaral
       P209 – P262 – P342 – P356 – P366 – P396 – P413 – P448 – P491 – P496 – P623

10.º - Condutor Costa (Estraga)
         P216 – P237 – P249 – P255 – P272 – P284 – P287 – P296 – P317 – P321 – P339 – P396 – P398 - P420 – P441 – P444 – P474 – P491 – P520 – P522 – P523

11.º - Condutor José Marinho (Professor)
         P241 – P244 – P247 – P249 – P252 – P259 – P262 – P269 – P272 – P275 – P277 – P288 – P296 - P317 – P319 – P340 – P362 – P368 – P373 – P381 – P385 – P404 – P410 – P444 – P485 – P491 - P523 – P525 – P528 – P535

12.º - Condutor Rodrigues (Guimarães)
         P237 – P239 – P244 – P249 – P256 – P260 – P277 – P284 – P287 – P296 – P317 – P327 – P331 - P337 – P339 – P368 – P375 – P383 – P396 – P400 – P444 – P445 – P472 – P473 – P491 – P519 - P523 – P528

13.º - Condutor Paiva Guimarães
          P239 – P252 – P255 – P293 – P301 – P368 – P375 – P396 – P434 – P444 – P491 – P520

14.º - Condutor António da Silva Cunha (Ficou em Bissau)
         P431 – P448

15.º - Condutor Carlos Manuel Oliveira Costa (Ficou em Bissau)
          P263 – P397 – P475 – P478

16.º - Condutor Santos Veras (Falecido)
         P264 – P269 – P287 – P293 – P396 – P444 – P482 – P487 – P491 – P520 – P523

17.º - Condutor Domingos Ferreira (Braga) (Falecido)
         P239 – P241 – P244 – P255 – P269 – P277 – P287 – P340 – P368 – P375 – P395 – P405 – P444 - P487 – P491 – P520 – P528

18.º - Condutor Rocha Carvalho (Falecido)
         P239 – P248 – P255 – P268 – P272 – P287 – P327 – P340 – P351 – P368 – P375 – P396 – P444 - P470 – P487 – P491 – P520 – P525 – P528

19.º - Condutor José Cardoso (Falecido)
         P224 – P255 – P269 – P275 – P288 – P293 – P296 – P317 – P322 – P327 – P340 – P351 – P352 - P357 – P396 – P400 – P414 – P438 – P444 – P445 – P472 – P487 – P491 – P520 – P523 – P528
 
20.º - Ajudante de mecânico David Jorge (Falecido)
         P159 – P225 – P237 – P247 – P262 – P292 – P296 – P301 – P317 – P322 – P352 – P420 – P430 - P434 – P444 – P474 – P491 – P499 – P522 – P523 – P538 – P556

sábado, 17 de dezembro de 2016

P632: A MATANÇA DO PORCO - RICARDO LEMOS


              É caso para se dizer que a tradição ainda é o que era. Pelo menos na freguesia de São Salvador de Viveiro, concelho de Boticas, os populares fazem questão de dar continuidade aos seus usos e costumes como a tradicional festa da matança do porco.
              No passado dia 3 de Dezembro de 2016 fomos convidados pelo camarada Abílio José Dias Fernandes Saraiva ex-soldado atirador do 1.º pelotão, para um almoço entre familiares e amigos de Viveiro, celebrando a antiga tradição das gentes da terra, protagonizando a festa da “matança do porco”, que outrora fazia parte do dia-a-dia dos portugueses nas localidades mais marcadas pela ruralidade.
            O nosso camarada Abílio Saraiva confidenciou-nos: “Nós fazemos esta “matança” todos os anos. Fazemos questão de fazer tudo como antigamente, até porque é feita a criação do porco ao longo do ano, que só no Inverno se mata para consumo interno e distribuição pelos filhos. É um dia de festa entre familiares muito deles da própria aldeia e alguns amigos e convidados. Além disso, estas “matanças” são rotativas, isto é, quem faz a “matança” vai realizando o ritual de convívio na aldeia e em casa de cada um”.
               E à mesa, repleta de familiares e amigos, todos se foram deliciando com os miúdos do porco, desde os rojões ao fígado e sangue cozinhados à maneira das avós, não faltando a feijoada branca e o cozido à portuguesa, regado com um bom vinho da região. Antes, ainda nos deliciaram com uma sopa “do outro mundo”. No fim, foi um sem número de variedades de doces caseiros e outras sobremesas, confeccionadas pelos familiares convidados e amigos, como participação no festim. E tudo terminou com uma aguardente caseira e o cafezinho.
              O convívio continuou durante a tarde, à lareira – estava mesmo frio nesta tarde de Sábado, e os mais “batoteiros” lá foram jogando uma partidinha de sueca.
              Mas há sempre tarefas a cumprir, e alguns familiares da aldeia tiveram de se ausentar para recolher o gado e outras tarefas prementes.
              Ao jantar, o convívio continuou, já com todos presentes, continuando o animado convívio, à mesa, repleta de petiscos de porco e os sobrantes do almoço.
              E, já a noite não era criança, despedimo-nos, agradecendo ao camarada Abílio Saraiva o maravilhoso dia passado na antiquíssima aldeia de Viveiro.
              Bem hajam, Viveirenses…

À mesa.

           Ao centro, o cozido à portuguesa. O Saraiva encontra-se à esquerda, com uma camisola lilás.

        Noutra repartição encontravam-se a maioria das mulheres…

           O Saraiva junto aos porcos, na adega.
Os porcos encontravam-se a escorrer alguns restos de sangue. No dia seguinte desmanchar-se-ão e estarão prontos para ir para a salgadeira.

                                              Tipicamente rural: a preparação dos petiscos.

                                                                               Abílio Saraiva, nas ruelas da aldeia

ALGUNS ASPECTOS DE SÃO SALVADOR DO VIVEIRO

 Casa da Aldeia

Espigueiro

                                         Pastor e as suas cabras nas ruas de Viveiros



                                                                     Casa Antiga


  Recordando o Saraiva nos seus tempos de Dulombi